Sergey Sharkov - Nallien.com"/>

 

Nossa história foi longa e complicada. Cheia de temporadas, inícios e fins. Muitos fins. E muitos recomeços.

Prolongamos até não dar mais audiência, né? Mas acho que agora já deu. Acabou a história, todas as frases se esgotaram. Os personagens cresceram. Mudaram. Tudo muda.

Mudei.

Você sempre me achou muito previsível, e com razão, te esperei de braços abertos a cada fim. A cada vontade sua repentina de ir embora. A cada último episódio da temporada, o primeiro da próxima trazia sua volta.

E eu te recebia com um sorriso no rosto. Com um alívio no coração, o alívio de quem consegue respirar novamente, depois de uma longa parada cardíaca. Com a alegria estampada na face, como uma criança que abre os presentes na noite de Natal.

Eu não me importava com os motivos que te levavam para longe. Eu só focava na sua volta. Contava os dias, as horas, os minutos, os segundos. Focava no seu cheiro preenchendo a sala de novo. Na sua risada fazendo barulho na casa que, sem você, é silenciosa. No seu beijo trazendo gosto de ar livre na minha boca.

Mas ontem você foi embora de novo, como de costume.

Levou contigo todos os nossos planos do futuro, nem perguntou se eu queria guardar. De recordação, sabe? Jogou tudo na mala e saiu pela porta. Ignorou todas as lágrimas que inundavam nosso apartamento e saiu seco. Mais seco que nunca. Você não se deixou atingir.

Aposto que, agora, onde quer que você esteja, acha que pode voltar. E se estabelecer de novo. E me confundir de novo. E me arrasar de novo.

Não mais.

Eu não vou continuar deitada te esperando entrar pela porta.

Eu não vou continuar fechando os olhos e sonhando com o seu sorriso largo.

Eu não vou continuar chorando rios, esperando você voltar navegando num barco cheio de lembranças.

Você foi embora. Você. E pelas suas decisões o responsável é você.

Aprendi com a nossa história a ser sozinha. A me bastar.

Se bastar: É esse o segredo da felicidade. Pena ser segredo e ninguém ter me contado antes. Tive de descobrir sozinha com a sua ida.

Mas agora eu me basto. E nós seremos estranhos. Um para o outro. Engraçado, você é o único estranho que eu sei o nome. Que eu sei a música preferida. O único estranho que reconheço pelo cheiro, pela voz. Ou, pelo menos, costumava reconhecer.

Só tenho uma última coisa pra te contar. Sei que você detesta spoilers, mas desse você precisa saber: eu não vou te esperar para sempre.

 

Comments Closed