Era domingo de manhã e eu acordei sentindo a sua falta. Que coisa! Meu dia ensolarado, agora será escuro outra vez. Tinha planejado um encontro com os amigos, um momento bom para poder rir e esquecer que você saiu da minha vida. Mas agora, até a minha vontade de levantar da cama passou.

Como que se diz adeus a um amor que deveria ser para sempre? Quando eu já estava me recuperando, do nada pensei em tudo o que vivemos. Eu já havia arrumado as malas e deixado as lembranças do lado de fora, da mesma forma que você fez quando partiu. Enquanto eu dormia, você se desfez da nossa história. Até cheguei a pensar que as coisas estavam sob controle. Pelo menos eu pensei que sim, mas agora vejo que não.

Semana passada, rasguei as cartas que continha os sentimentos que você, por anos fingia sentir.

Foi difícil me desfazer das meias de coração, das calças jeans, e dos pijamas velhos que ainda tinha o seu cheiro. Já que decidiu partir, porque não levou tudo isso junto? Aposto que deixou de propósito, para que eu sofresse cada vez que abrisse o guarda-roupa e percebesse que, as suas roupas ficaram, embora você tivesse ido.

Embrulhei tudo em uma sacola qualquer e, ao passar pela rua, entreguei a primeira pessoa que eu vi. Foi bem constrangedor, mas sei que aquele estranho teria a coragem que eu não tive para jogar tudo no lixo. Ainda pensei em entregar a alguém em situação de rua, mas não queria correr o risco de cruzar na esquina com alguém vestido de você.

Eu tinha me animado, naquela manhã de domingo e, realmente, estava tudo indo bem… Mas ai eu tropecei nessas malditas lembranças. Nesse maldito ‘pra sempre’ que nunca existiu. Você foi imoral, sabe? Foi injusto comigo, com a nossa história. Será que antes da sua partida, eu não merecia nem sequer um último olhar? Mas não, assim, de mansinho, a passos cautelosos, como quem sabia da merda que estava fazendo, sumiu sem deixar rastros, nem mesmo um bilhete.

Meu coração hoje carrega pesos desnecessários, e um medo descontrolado do futuro, mas mesmo assim, queria saber o que te fez sair assim, sem olhar para trás. Porém, tenho que seguir a vida e fazer com que esse sentimento pare de gritar em meu peito. Porque amanhã é segunda e a vida não vai parar, para que eu me ajeite. O que me resta é seguir em frente!

Comments Closed