Sempre há um rei tirânico
Arrogante e superirônico
Como se fosse um verdadeiro pânico
Ele é
Sempre há um súdito insurgente
Preocupado e acreditado no amor
Como se fosse um salvador
Eu sou

Cuidado, majestade
Porque o bobo da corte pode tomar a coroa
E se tornar o novo rei
Cuidado, majestade
Eu estou pronto para mandar
Cansei de ser o palhaço do castelo

Porções de maquiagem não escondem mais
Minhas expressões raivosas
Até seus convidados percebem
Mas não me intercedem
E você não se importa
Mesmo me considerando um palhaço boboca
E só mais um escravo do castelo
Você só ri
Ignorando o meu sorriso amarelo

Cuidado, majestade
Porque o bobo da corte pode tomar a coroa
E se tornar o novo rei
Cuidado, majestade
Eu estou pronto para mandar
Cansei de ser o palhaço do castelo

O reino inteiro deseja paz
Liberdade, paixão
E não ressentimento voraz
Espelho, espelho seu, existe alguém
Com coração mais egoísta que o seu?
Mude enquanto dá tempo
Começar a amar o próximo é fácil
Ame como os pássaros amam o vento
Não sentirás arrependimento
Só se sentirás pleno
Assim como eu me sinto
Pois eu amo e quero compartilhar amor
Com teus outros súditos

Cuidado, majestade
Porque o bobo da corte pode tomar a coroa
E se tornar o novo rei
Cuidado, majestade
Eu estou pronto para mandar
Cansei de ser o palhaço do castelo

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEu tentei escrever sobre você
Próximo artigoResenha literária: O verão em que tudo mudou
Escritor desequilibrado, meio robusto e meio barbudo, também um romântico incurável. Já fui chamado de príncipe, mas prefiro não acreditar. Como qualquer escritor, não posso ver uma barata que já quero escrever sobre ela.

Comments Closed