Resenha literária: Ligações – Rainbow Rowell

Sinopse:

GEORGIE MCCOOL sabe que seu casamento está estagnado. Tem sido assim por um bom tempo. Ela ainda ama seu marido, Neal, e ele também a ama, profundamente – mas o relacionamento entre eles parece estar em segundo plano a essa altura. Talvez sempre esteve em segundo plano. Dois dias antes da tão planejada viagem para passar o Natal com a família do marido em Omaha, Georgie diz a ele que não poderá ir, por conta de uma proposta de trabalho irrecusável. Ela sabia que ele ficaria chateado – Neal está sempre um pouco chateado com Georgie –, mas não a ponto de fazer as malas e viajar sozinho com as crianças. Então, quando Neal e as filhas partem para o aeroporto, ela começa a se perguntar se finalmente conseguiu. Se finalmente arruinou tudo. Mas Georgie estava prestes a descobrir algo inacreditável: uma maneira de se comunicar com Neal no passado. Não se trata de uma viagem no tempo, não exatamente, mas ela sente como se isso fosse uma oportunidade única para consertar o seu casamento – antes mesmo de acontecer…Será que é isso mesmo o que ela deve fazer? Ou ambos estariam melhor se o seu casamento jamais tivesse acontecido?

Desde que li Eleanor & Park fiquei totalmente apaixonada pela escrita de Rainbow Rowell. Por isso mesmo, quando vejo um livro dela, hoje em dia, não recuso, já vou logo lendo! Foi o que aconteceu com Ligações, um livro que me surpreendeu muito. A princípio, por ser relacionado a um assunto não tão comum em romances, como o divórcio, as enormes diferenças existentes entre um casal. A autora relata uma história de amor bem diferente das fictícias, pelo contrário, ela mostra a realidade nua e crua. 

Neal e Georgie se amam, disso eles tem certeza. Mas a questão principal acerca do livro é: só o amor basta? Já que, além do amor, vem Seth, o melhor amigo de Georgie, o trabalho inacabável dos dois, a busca incessante pelo sucesso de sua própria série. Enquanto, para Neal, tudo o que importa é ficar em casa, com suas filhas, sua mulher. Com a família.

Confesso que a personalidade de Neal me incomodou um pouco, o seu ciúme excessivo, sua impaciência com os sonhos da mulher. Georgie é uma tipica workaholic, sonha em escrever sua própria série junto de Seth e, por isso, trabalha o dia todo junto dele.

Até aí “tudo bem”, eles vão levando. Acontece que, Seth e Georgie recebem uma proposta irrecusável de produzir, finalmente, seu próprio programa de TV na semana do Natal. Justamente a semana em que Georgie, Neal e as crianças viajariam para Omaha, a cidade da família de Neal. É nesse contexto que o casamento dos dois começa a sofrer uma de suas piores crises.

Enquanto Neal viaja com suas filhas, Georgie permanece em casa, trabalhando com Seth, ou pelo menos era esse o plano. Todo o dilema do casamento, a saudade de Neal e suas filhas, fazem Georgie se esquecer do motivo pelo qual permaneceu em casa. Ela acaba ficando o período todo na casa de sua mãe, onde encontra uma espécie de telefone mágico. Ela consegue se comunicar com o Neal do passado, embora não consiga mudar nada, ela consegue enxergar todos os defeitos de sua relação, desde o comecinho. Isso tudo só a faz pensar se, realmente, Neal e ela foram feitos para dar certo. Se eles realmente deveriam continuar juntos.

Ligações não é, propriamente, um romance fofo. Ele mostra que o amor nem sempre basta, que diferenças existem e que é preciso saber lidar com todas elas para fazer dar certo.

 

Leia também Mais do autor

1 comentário

  1. Suélen Emerick Diz

    Quero ler! Adoro suas resenhas, Bru!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.