Textos e resenhas literárias

Diálogo de uma partida

​- Desculpe te decepcionar, mas a mulher que você conheceu há alguns meses pediu para avisar – meio apressada – que precisou ir embora.
– Mas ela disse quando volta ou para onde foi?
– Não. Ela apenas pegou tudo que achou que poderia servir e partiu. Quando bateu a porta, disse que ia para um lugar novo e que tudo que lá ficou não mais serviria e que eu ou você, ou quem quisesse, poderia ficar.
– Mas, como assim? Há pouco liguei e ela atendeu. E aceitou sair comigo. Deixei ela em casa após algumas horas fora e achei que poderia encontrá-la de novo.
– Você deixou isso avisado? Deu algum número de telefone?
– Não. Achei desnecessário, já que toda vez que a procurava lá estava ela. Do jeito e na hora que eu queria. Achei que isso fosse o bastante.
– Pelo visto não foi dessa vez.
– Mas aconteceu alguma coisa que fez ela mudar assim tão de repente?
– Olha, não posso afirmar com certeza, mas um belo dia a vi acordar com um brilho no olhar diferente. E um sorriso no rosto, daqueles que a gente dá sem motivo aparente, e por isso mesmo são os mais bonitos. Colocou a roupa que mais a deixava se sentido ela, riscou da agenda alguns contatos e – depois de tomar um café bem forte e duas torradas – voltou e jogou a agenda inteira fora. Para ela não servia mais o passado.
– Mas eu faço parte do passado! Que absurdo ela sumir sem dar explicação…
– Lembro-me agora que você disse isso que ela me contou uma vez que você sumia durante os finais de semana de sol. E aparecia as segundas com promessas renovadas. Que nunca se concretizavam. Ah! Ela também chorava toda vez que percebia que seu objetivo maior com ela, bem… você sabe né?
– Mas eu expliquei que minha vida estava confusa demais para um relacionamento. Poxa, mas eu a levava para passear! O que mais ela queria?
– Ela queria ser sua primeira opção e não um encaixe mal feito em dias de tédio. Mas isso foi o que ela me falou…
– Tá, tá… Pode me fazer um favor?
– Claro!
– Diz a ela que eu estou com saudades. Não! Faz melhor, diz que eu estou morrendo de saudades. Que passei aqui para vê-la e para fazer alguma coisa juntos. Diz até que eu deixei um beijo e que ela é muito especial para mim.
– Não sei se um dia a encontrarei novamente, mas se isso acontecer, o recado será dado. Tá bom?
– Ok então… E, a propósito, quem é mesmo você?
– Eu sou a mulher que se transformou após você provar para ela que a antiga não cabia mais. Muito obrigada por isso. E agora com licença, porque tenho uma vida inteira para viver. Sem você.

Comments Closed

Comentários estão fechados.