Hoje tive uma imensa vontade de amanhecer por dentro, e com isso acordar aquele sentimento doce e sereno que foi um dia o nosso amor.
Eu lembrei daquela carta que você escreveu quando o nosso amor ainda não havia entrada em estado de óbito.
Sim, aquela que falava que eu era diferente de tudo o que você tinha visto, sentido e desejado.
Sim, esta mesma que você engolia as virgulas pensando que elas eram desnecessárias ao que estávamos vivendo no momento.
Você dizia em palavras simples que eu te fazia bem e que pelo seu próprio bem você jamais queria sair de perto de mim. Como não lembrar daquela cena linda e não me apaixonar novamente?
Uma doce vontade de suportar a normalidade da vida e saí pelo mundo a fora, ultrapassando-me. Em um desfile de predicados, em que a parada da vida é o recomeço e a saída é uma vontade inventada, eu me encontro nestes devaneios de hoje vivendo um amor de primavera.
É um querer que vai além.
Que não se sabe aonde chega.
Palavras perdidas ao início do capítulo.
Mas chega uma hora em que você sabe que ninguém sai da vida inteiro. O que você precisa aprender é ter paciência, dar um tempo e ter seu próprio tempo.
Porque as coisas são como devem ser. Mas, na hora certa. Na hora em que sorrimos pro outro, e enxergamos o olhar de Deus cogitado em nosso coração!
Sim, é assim que eu te vejo. É assim que eu quero te ver sempre. Hoje, mesmo que eu muitas vezes me sacie de músicas, café, séries e textos possa dizer que há necessidade de um abraço quente.
Não um abraço qualquer. Digo, um abraço de amor. Dilacerado na certeza de que a eternidade entre nossos olhos existe.
A cada novo momento de nós sinto que uma parte nova se soma, uma parte velha se solta. Há pedaços lindos que eu amo, há pedaços faltando que estamos incompletos.
Mas isso não tem importância, não estar finalizado em que nós somos nos dá opção de ser quem podemos ser.
Nos dá a chance de ser cada vez, melhor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here