O mundo dela é feito de sonhos e unicórnios

A acham extremamente louca. Dizem que ela vive num mundo que não existe. Que ela é estranha. Que ela não deveria ser assim e que ela precisa amadurecer. Tolos. Não enxergam, definitivamente, o quanto essa menina é fantástica e o quanto ela está certa em viver num mundo cheio de unicórnios, fantasias e sonhos.

Estamos em tempos difíceis. Com guerra, desunião, fome, sede, desamor e egoísmo. Sem contar nossos problemas do dia a dia: trabalhos da faculdade, pouco dinheiro, chefe mal-humorado, carro quebrado e boleto atrasado. É um mundo que, quando somos crianças, não imaginamos ter. Pedimos para crescer, queremos ser “gente grande” e achamos que assim tudo será mais fácil. Ahhh doce ilusão infantil. Agora pedimos para nos tornamos “gente pequena” de novo.

Ela tem tantos problemas, tantas tarefas diárias, mais afazeres e deveres que lazer que quando tudo se torna pesado demais, ela corre para o mundo que ela criou na imaginação. Dentro dela existe um mundo sem problemas, onde todo mundo é igual, onde ela monta num unicórnio e segue feliz. Ela usa a ingenuidade que ainda existe dentro dela para esquecer o mundo real. O usa como refúgio.

Ela cumprimenta as flores, dá bom dia para passarinhos, vê o mundo colorido, ama o próximo e quer o bem de quem quer que seja. Enxerga a vida cheia de arco-íris, com leveza, frescor e alegria. Mas tem uma garra inquestionável, corre atrás do que quer, uma mulher de fibra e que não desanima no primeiro obstáculo. Aguenta gente sem educação, os nãos da vida e mesmo assim, sorri. E agarra, com unhas e dentes, os sonhos e a ingenuidade que tem dentro de si.

Qual o problema dela sonhar assim? Qual o problema dela ter vários objetos com unicórnios lindos e coloridos? Não é porque ela cresceu, que ela deve se desfazer da inocência que temos quando somos crianças. Todos nós deveríamos ter um mundo imaginário e pensarmos nele para relaxar. Se fechar no banheiro da empresa, sentar no chão e lembrar de quando tudo ainda era fácil. Se concentrar que se as coisas estão pesadas demais devemos nos agarrar naquilo que, dentro de nós, torna tudo mais leve.

Ela mostra ao mundo o quanto ainda vale a pena sonhar. O quanto se apegar numa coisa tão pequena para os outros, mas tão grandioso pro dia caótico dela, vale a pena.  E sim, ela é muito madura. Tem que ser muito maduro para conseguir criar tanta coisa boa no meio de tanta gente ruim. Tem que ser muito maduro para ainda acreditar que o mundo tem jeito.

Meu desejo? Que ela continue assim. Com essa armadura do dia a dia e com a doçura dentro dela. Que enxergue o mundo cada dia com mais cor, cada dia com mais amor. E que essa menina que vive dentro desse mulherão, sobreviva aos olhos repreendedores de quem não entende que imaginar um mundo melhor dentro de si, é um dom que só os bons de coração têm.

Comments Closed

1 comentário
  1. Raquel de Póvoas Diz

    Texto cheio de algodão doce que nem a escritora dele. ❤

Comentários estão fechados.