Resenha literária: Somos Guerreiras, Glennon Doyle Melton + Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adiche

Hoje vim recomendar um livro que deveria ser leitura obrigatória – para mulheres, homens… Para todos! Uma autobiografia incrível. Um livro inspirador, retrato duro e cruel de como é ser mulher numa sociedade tão machista e patriarcal.

Sinopse:  Um marido lindo e atencioso, filhos encantadores, o reconhecimento pelo sucesso profissional. O que mais Glennon poderia querer? A resposta é: mais, muito mais. Ela queria não ter tantas dúvidas, queria se comunicar melhor com o marido, queria apagar de sua história a bulimia e o alcoolismo, queria se encaixar nos padrões… queria que o marido não a tivesse traído e que o casamento não tivesse se revelado uma tábua de salvação tão fracassada.

Mas o que parece a maior das tragédias, acaba se tornando a grande chance de Glennon. A crise conjugal traz à tona seus velhos demônios e a obriga, pela primeira vez, a encarar francamente as questões que antes foram apenas sublimadas. Enquanto todos cobram dela uma decisão sobre o possível divórcio, Glennon se volta para si mesma em busca da própria voz: não a da jovem perfeita que ela um dia quis ser, não a da esposa cujo relacionamento fracassou, não a da mãe abnegada, mas, sim, a voz da mulher de verdade que sempre existiu por trás de todos esses papéis.

Glennon Doyle Melton é a mulher que talvez você conheça, a vizinha, a colega, a irmã de um amigo. Talvez seja você. Somos guerreiras revela não só a história de Glennon, mas a guerra diária travada pela mulher que busca simplesmente ser quem ela é — um relato corajoso que chama a atenção para o fato de que nascer mulher e existir plenamente é quase um ato revolucionário.

Ter lido esse livro foi um grande presente pra mim… Foi bem diferente do que eu estava esperando encontrar, mas diferente de uma maneira muito, muito boa. Impossível não se identificar!

No livro a autora conta, de forma muito honesta (e sem filtros) toda a história da sua vida. Glennon desde criança foi ensinada a ser linda, magra, ter o corpo ideal, se encaixar em todos os padrões impostos pela sociedade! E ela seguiu por esse caminho, tentou até a exaustão – do corpo e da mente.

Medos, inseguranças, distúrbios alimentares, vicio no álcool e em outras drogas, as dificuldades de ser mulher! Quantas meninas e mulheres não se veem nessa situação todos os dias, em qualquer lugar do mundo?

“As regras secretas, incontestáveis, sobre como ser uma garota importante são: Seja magra. Seja bonita. Seja discreta. Seja invulnerável. Seja popular seguindo a liderança dos garotos respeitados.”

Foi uma leitura bem dura em alguns momentos, é triste ver que não tem idade para começarmos a ser sufocadas pelas imposições da sociedade – Glennon sofreu com isso desde os 10 anos de idade.

“Você usou de todos os meios necessários para seguir as regras secretas. Você sacrificou sua saúde, seu corpo, sua dignidade, e fez tudo isso se mantendo sempre bonita. Você não perturbou o universo com nenhum dos seus sentimentos ou questionamentos. Permaneceu pequena. Não ocupou espaço demais. Você nunca veio a superfície, e quando foi necessário -quando precisou de oxigênio- afastou-se e respirou longe de nós. Nós nem sequer chegamos a conhecê-la. Parabéns.”

O livro passa uma mensagem muito forte e muito bonita!  Não precisamos nos encaixar nos padrões que a sociedade impõe, não está errado nos aceitarmos do jeito que somos – muito antes pelo contrário! Precisamos ser feliz, precisamos nos amar… E só isso!

A autora foi de uma generosidade incrível ao dividir sua historia com milhares de pessoas! Afinal, a história de Glennon é nossa história também! Não da para não se identificar…

Recomendo muito que leiam, absorvam o máximo possível dessa história e deixem que o livro exerça o poder transformador que ele tem!

Aproveito para deixar a dica de uma outra leitura, também indispensável! O livro Sejamos Todos Feministas, que é uma adaptação de uma palestra da Chimamanda Ngozi Adichie, uma mulher simplesmente “fodástica”! É um livro curtinho, de leitura fácil e super rápida, que aborda com muita clareza e propriedade a importância do feminismo na nossa sociedade.

“O problema da questão de gênero é que ela prescreve como devemos ser em vez de reconhecer quem somos. Seríamos bem mais felizes, mais livres para sermos quem somos, se não tivéssemos o peso das expectativas do gênero”

Deixo também duas músicas que complementam a ideia das duas obras!

Espero que tenham gostado das dicas! E que a cada dia possamos nos unir mais! Que a nossa voz seja cada vez mais ouvida! Que a sociedade não nos imponha tantas coisas, que o peso de ser mulher seja cada vez menor! <3

 

Comments Closed

1 comentário
  1. Suelen Diz

    “Sejamos todas feministas” eu já li e é literalmente meu livro de bolso. Voce ja leu mais da autora? Iria amar resenha de “Hibisco roxo”.

Comentários estão fechados.